domingo, 31 de janeiro de 2016

Do arquivo morto. Abandonar toda a memória, fixar residência no aroma da tua pele


Teu lar
 Meu corpo
Vem hospedar
Fazer-me gostar 
Perder o tino
Cair menino
E gritar!
Logo,
(dilatado suspiro)
Gozar o ócio,
A calmaria.
Não te movas,
Deixa-te estar
Quando chegar
A brisa que empurre.
Devagar!


4 comentários:

  1. Não é boa ideia ficarmos residência no aroma da pele de ninguém.

    Posto isto, ai que lindo, parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. A subjectividade começa em casa.



      Muito generosa.

      Eliminar
  3. Touché.

    (Mas insisto).

    ResponderEliminar