terça-feira, 4 de setembro de 2012

Qualquer pensamento que se aproxime da verdade, se formulado com elegância, tarde ou cedo, converte-se em cliché




19 comentários:

  1. Por fora dos corpos, mas dentro das roupas de uniforme, sim. As únicas realmente iguais são as militares chinesas naqueles desfiles gigantescos..

    ResponderEliminar
  2. Excepto a minha tia avó que tinha uma bigodaça capaz de fazer inveja a qualquer gajo da GNR.

    ResponderEliminar
  3. São suffragettes? Estarão por aqui as manas Pankhurst?

    ResponderEliminar
  4. Conheci uma pessoa que também achava que sim, que somos todas iguais.. e fazendo prova, baseava a sua douta opinião nas muitas que tivera.
    Concordei.
    Disse que para homens como ele, nós mulheres somos todas iguais.

    (Acho até que deve ter um livrinho onde aponta as únicas diferenças que lhes encontrou: nome, data de nascimento e cor de cabelo).

    ResponderEliminar
  5. Acabei de ler no DN que, este ano, já 24 mulheres morreram às mãos dos companheiros(?). Estas são todas iguais.
    Verdadeiro horror.

    ResponderEliminar
  6. Os homens também, (mais coisa menos coisa, :P eh eh)

    ResponderEliminar
  7. Pois, o pior é quando aparecem aquelas notícias de que fala a Margarida! De resto, não costumo usar a expressão de que as mulheres ou os homens são todas ou todos iguais.Não me dá para isso! São coisas que não sinto dessa forma. Bom, já volto. Tenho uns trabalhos para fazer.

    ResponderEliminar
  8. Formamos todos um imenso zoológico - a espécie humana aí se encontra também -
    e de todos os animais somos os únicos que temos dinheiro e bolsos para o guardar. Isto justifica que sejamos malignos às vezes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há dois dias fez anos que morreu o poeta que escreveu isto:

      "...Humanity I love you because you
      are perpetually putting the secret of
      life in your pants and forgetting
      it's there and sitting down

      on it
      and because you are
      forever making poems in the lap
      of death Humanity

      I hate you"

      E.E. Cummings

      Eliminar
  9. Meus queridos, muito queria continuar a ver tudo o que ainda não tive oportunidade de ver, assimilar e responder neste blog. Mas, não posso deixar de começar por aqui.
    Olho Vivo, formamos todos um imenso zoológico. Não sei o que dizer-te. De certa forma era bom que assim fosse. Há alturas em que acho que é muito mais compensatório estar com animais. Digo isto, quando estou pelos cabelos e não consigo ir para além das minhas emoções. É o meu handicap!
    Poder, dinheiro, já todos sabemos que isso corrompe. No entanto, eu acredito nas pontencialidades do ser humano. Acho que somos capazes de tudo. E há pessoas genuinamente boas. Só que dos seus jestos pouco se fala ou nada! Não dá audiências nem dinheiro. E muito mais havia para dizer.
    Margarida, adorei este poema! Homem de coragem!" I hate you!" Não consigo dizer isso a ninguém! Conheço muito pouco do mundo... Talvez seja por isso!

    ResponderEliminar
  10. Só mais isto. Muitas vezes, pior do que a vilência física é a violência psicológica. E disso, não há que tirar de uns para pôr nos outros. Isso é apanágio de todos. E. E, Cummings não os distingue. Ele, simplesmente, fala dos poemas feitos no colo da humanidade morta... Dá que pensar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assino em baixo. Apetecia-me pegar nas coisas da Isabel e ir por aí a fora mas hoje, pois, hoje é hoje e prantes, chega pra justificar.
      Oláaaaaaaaaaaaaaa, Isabel!!! Ainda não me deste troco nenhum. Não tarda amuo. :)))))

      Eliminar
  11. Bren, cala-te e vê tudo com atenção. O que mais te tenho dado é troco! Até te dediquei um poema! Sinceramente, Bren!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me crucifiquei algures, Isabel. Lindo poema. Obrigada. Nunca ninguém me dedicou um poema apesar do belo ser que sou. O mundo é tão cruel ou anda tudo cego...ou será que ofusco? :))))

      Eliminar
  12. Bren, não te preocupes. Os poemas só são uma ilusão. Aliás, Fernando Pessoa diz que o poeta é um fingidor. Ainda não me dei ao trabalho de descodificar isto. Nem sei se é para descodificar...O que finge o poeta? Eu acho que o poeta se transcende e que fala do que os outros esquecem ou que não sabem que existe. A poesia é a arte mais pura. Será que se finge na transcendência?
    Olha, toma lá esta música. Podes não gostar. Mas, hoje estou assim. Aqui vai:

    http://youtu.be/slHjkszSAKs

    ResponderEliminar
  13. Ah pois gosto. O poeta fala da sua alma, do que ela vê e sente. O poeta nunca finge, e não creio que alguma vez alguém possa desvendar o que escondem as suas palavras por mais claras e transparentes que possam parecer a quem as lê. A sua criação é o resultado de um dado estado de alma que jamais alguém conhece para além de si. Eish, o que esta Isabel me faz dizer!

    ResponderEliminar
  14. Bren, vês? Também tu, já viraste a santo! Aí isto está muito mau! Temos que dar uma benzedura nisto!
    Bom, vou dormir porque hoje foi um dia dos grandes. Além de virar a santa, andei arrancar ervas daninhas do meu quintal. Eram mais altas do que eu! Até tive medo que aparecesse por lá alguma cobra. E eu não as queria trçar ao meio. Pobres bichos!
    Good bye! See you later!

    ResponderEliminar
  15. Santo o tanas. Dormir concordo.

    ResponderEliminar