quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Bernhard Springer



Shadow and Light

7 comentários:

  1. Eu bem dizia! O anãozinho é um agente infiltrado! Olhem só o que ele escolheu para nos baralhar! Eu até gosto muito deste jogo de luzes e sombras e, apesar de ir, em segredo, tratar destas luzes e destas sombras, à minha maneira, não deixo de dizer que é preciso cuidado. O anãozinho continua a perseguir uma loira para nos despitar! Estás a contas com a bicharada, estás, estás! A manifestação vai sair! Garanto-te! Isto é como a procissão das mulheres de má vida do bataclan da Gabriela. Logo, à noite, vou ter uma conversa com o Conselho da Revolução!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Traíra de uma figa, o anãozinho é inocente (de sexo).

      Eliminar
    2. Isso agora....Arruinas-lhe a reputação com essa boa intencionada defesa. Perseguir loiras é um item importante no CV de qualquer gajo que se preze.

      Eliminar
  2. Este desgraçado país é que está cada vez mais coberto de sombras e nas mãos de gente sinistra

    http://www.noticiasaominuto.com/pais/12288/conselho-de-%C3%A9tica-sugere-ao-governo-cortar-nos-tratamentos-mais-caros-de-cancro#.UGREBK6s-PM

    ResponderEliminar
  3. UMA VERGONHA!


    O presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), Miguel Oliveira da Silva, defendeu esta quinta-feira, em entrevista à Antena1, o racionamento de determinados tratamentos como cancros, Sida ou doenças reumáticas. Uma sugestão que consta de um parecer emitido por este órgão consultivo a pedido do Ministério da Saúde.

    Miguel Oliveira da Silva afirmou que "não só é legítimo como, mais do que isso, desejável" porque "vivemos numa sociedade em que, independentemente das restrições orçamentais, não é possível, em termos de cuidados de saúde, todos terem acesso a tudo».

    "Será que mais dois meses de vida, independentemente dessa qualidade de vida, justifica uma terapêutica de 50 mil, 100 mil ou 200 mil euros? Tudo isso tem de ser, se o doente estiver disponível, muito transparente e muito claro, envolvendo todos os interessados", referiu o presidente do CNECV.

    PUB



    Miguel Oliveira da Silva sustentou ainda que seguir este caminho “é uma luta contra o desperdício e a ineficiência, que é enorme em Saúde”.

    O parecer do CNECV, a que a Antena1 teve acesso, abrange ainda exames e meios complementares de diagnóstico como TACs, ecografias e ressonâncias magnéticas

    ResponderEliminar
  4. ".....independentemente das restrições orçamentais, não é possível, em termos de cuidados de saúde, todos terem acesso a tudo..."

    TENHO VERGONHA DISTO!

    ResponderEliminar
  5. Ao ver esta rua pensei logo nos cadeirantes de Portugal....maneira esta rua.

    ResponderEliminar