segunda-feira, 19 de maio de 2014

O prazer não tem ética, moral, religião, ou geografia, corrompe o mundo maquinalmente


Tão farto desta merda.


No Iraque, em nome de supostos valores ocidentais (efectivamente interesses das indústrias do petróleo, armamento, e segurança privada), substituíram um ditador sanguinolento, por uma imitação da democracia. A insegurança, no país e na região, aumentou. Os civis continuam a morrer diariamente em atentados bombistas que já nem constituem notícia, tal a banalidade da sua ocorrência. O número de baixas, em nação dividida por etnias regionais, é incontável. Quando terminarem de se matar entre si talvez se vejam obrigados a aumentar o esforço reprodutivo.


No Irão, o Xá, Reza Pahlavi, apostado na modernização, e secularização do regime (também na ilegalização do partido comunista, no favorecimento de familiares e amigos, e prisão de opositores, quando não liquidados pela SAVAK), foi deposto por islamistas, liderados por Khomeini: Primeiro Líder Supremo. O fundamentalismo islâmico alargou as suas fronteiras, esta é uma consequência:

«O beijo que a atriz iraniana Leila Hatami deu ao diretor do Festival de Cannes, Gilles Jacob, escandalizou o Irão»

«"As mulheres que participam em eventos internacionais deveriam ter em conta a reputação e castidade das iranianas, para não darem uma má imagem das mulheres do seu país. E esta foi uma atitude inapropriada", afirmou o vice-ministro da Cultura iraniano, Hossein Noushabadi, "seja artista ou não, a mulher iraniana é um símbolo da castidade e da inocência, e a sua atitude no Festival de Cannes foi inapropriada e não está de acordo com os nossos princípios religiosos».

«Segundo a lei islâmica, em vigor no Irão desde a revolução de 1979, uma mulher não pode ter qualquer tipo de contacto físico com um homem estrangeiro.» (Sublinhados nossos)

No Irão não existe sexo, oral, outro, ou práticas desviantes, aliás, nem fazem sexo de todo, aberração que comungam com o matrimónio ocidental.

O Irão pré-Khomeini:

Ali Hatami (realizador de cinema), e Zari Khoshkam, progenitores da escandalosa Leila Hatami

 Ainda o Irão pré-Khomeini:








2 comentários:

  1. Irão pré Khomeini era hot. Agora not.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dançar também é not: http://www.publico.pt/mundo/noticia/jovens-iranianos-presos-por-dancarem-happy-de-pharell-williams-1636924

      «“Depois do clip vulgar que fere a pureza do povo iraniano ter sido lançado na Internet, a polícia, em cooperação com as autoridades judiciais, decidiu identificar as pessoas envolvidas na gravação”, disse o chefe da polícia de Teerão.»

      Eliminar